quinta-feira, 18 de junho de 2020

Lobo solitário ou de matilha, quem é você?

Fala, meus considerados, como estão as coisas? Espero que bem.

Nesses tempos de quarentena e reclusão domiciliar, tenho ficado mais tempo sozinho do que de costume. Em função disso, me vi fazendo vário devaneios sobre meu relacionamento com outros chimpas.

Em geral, costumo me dar bem na companhia de outras pessoas, seja no trabalho, num evento social qualquer ou onde for. Não tenho dificuldade de trocar algumas palavras coisa e tal. Ocorre que com o passar dos anos venho ficando cada vez menos paciente para os papos rasos, a small talk dos americanos.

Como consequência, tenho preferido estar na companhia de poucas pessoas ou de nenhuma. O que mais me chamou atenção, porém, foi que tenho abusado mesmo das melhores companhias, seja da família, de amigos próximos e inclusive da minha namorada.

Nós não moramos na mesma cidade, nos vemos nos feriados ou finais de semana, chegamos a ficar umas duas semanas sem nos ver pessoalmente. Eu gosto dela, da companhia, das conversas, daquelas coisas legais que casais fazem ( ͡° ͜ʖ ͡°), enfim, não tenho nenhuma reclamação específica a fazer. 

A despeito disso, quando passamos um período maior juntos, duas semanas ou algo assim, já começo a sentir vontade de ficar sozinho de novo, me isolar em casa, ver minha TV, fazer minhas coisas ou nada etc. 

Nunca conversei sobre isso com ela, tenho um pouco de receio que ela interprete mal e pense que eu abuso da companhia dela, o que não é o caso. Eu apenas sinto falta da minha solitude:

“A linguagem criou a palavra solidão para expressar a dor de estar sozinho. E criou a palavra solitude para expressar a glória de estar sozinho” (Tillich)

Com certeza isso não seria algo simples de entender para uma mulher apaixonada que namora a distância e que, afinal, nem passa tanto tempo assim junto de mim. 

Fico me indagando se eu nasci para ser um lobo solitário, não um de matilha. Ou será que eu devo buscar uma solução intermediária, tipo mesmo após o casamento cada um ter sua casa? 

Sei que por aqui tenho leitores solteiros reclusos, casados, divorciados, baladeiros, comedores de primas e tudo mais, por isso gostaria de perguntar: como vocês lidam com a necessidade de estar sozinho? Vocês acham que é possível uma pessoa que gosta de outra, mas também de estar só manter um relacionamento sexual-afetivo monogâmico no longo prazo?

Eu tenho minha opinião pessoal, mas gostaria muito de ouvir a de vocês.

Abraço e fiquem com Deus!

19 comentários:

  1. Amigo, tive o azar de nunca namorar nenhuma garota apesar de já ter 41 a nós. Sofri bastante mas hj em dia prático a solitude e vejo mais vantagem em continuar sozinho. Pra vc que já namora é melhor continuar mas pra mim tem duas opções: novinhas pra me explorar ou coroas cheias de filhos! Escolhi a terceira opção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante, eu tenho 30 anos e também nunca namorei e isso me incomoda um pouco. Como o senhor lidou com isso

      Excluir
    2. Sim Frank, o que posso dizer é que o tempo vai te fotalecendo, vc começa a dar valor a coisas que antes nem sabia que existiam, definitive te estou reaprendendo a viver, e estou gostando pra caramba! Abraço! PS: nunca desista! Existe luz no fim do túnel!

      Excluir
  2. A propósito moro em Cuiabá e descobri um enorme prazer em coisas simples como andar sozinho de bike pelas ruas da cidade, só de chinelo, bermuda e camiseta sem aquelas firulas de ciclista moderno! Aos 40 encontrei um enorme prazer em cultivar hábitos simples! A propósito o seu blog é muito bom! Abraço!

    ResponderExcluir
  3. "como vocês lidam com a necessidade de estar sozinho?" sem problemas
    as vezes eu, as vezes minha mulher quer ficar sozinho
    me isolo no meu escritorio e fico bem
    nos entendemos e achamos isso natural
    faz bem viver com alguém que compartilha de seus valores

    abs"

    ResponderExcluir
  4. Hahaha, já fiz esse mesmo questionamento a pouco tempo atrás.

    Minha namorada também mora em outra cidade (Faz faculdade) e agora tem 90 dias que está aqui na casa dos pais.

    No começo, estavamos nos vendo, quase todos os dias. Aí eu ficava sem tempo de fazer minhas coisas noturnas que eu gosto de fazer ( Academia, janta fitness, assistir palestras no youtube entre outros)

    Então falei para ela que eu tinha que ter um tempo sozinho.. até pensei isso que você disse

    "Será que nasci para ser sozinho?"

    Mas depois de muitas reflexões, cheguei a conclusão que não. Se eu fosse casado com minha namorada eu conseguiria equilibrar as coisas tranquilamente.. Hoje estamos vendo nas quintas,sextas,sabados e domingos.
    Ficou bem equilibrado. Foco mais em mim, nos primeiros 3 dias da semana.

    Só que voltando a questão da reflexão e vendo algumas palestras sobre o assunto. Eu acredito que não nascemos para ser sózinhos.

    Existem 3 coisas NATURAIS que dão prazer a uma pessoa

    COMIDA, SEXO E SOCIALIZAÇÃO!

    Você perde o desejo em socializar quando tem algum "Falso prazer" no lugar desse prazer natural.

    O Gary wilson tem uma palestra que fala sobre isso no youtube.

    Então oque seria os Falsos prazeres?

    Sexo por pornografia

    Socialização TV/Videogame/Séries

    e tudo isso, segundo ele, causa consequências no longo prazo!

    Então cuidado, porque as vezes esse "sozinho" está acompanhado de algum vicio que você tem.

    Mas com o o Scant falou, acredito que todos nós temos que ter nosso tempo sozinho para fazer uma leitura, ver um video ou coisas do tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa reflexão, peão. Tem o link desse vídeo?

      Excluir
    2. O junto também pode ser acompanhado de vícios Peão. Geralmente pessoas começam a beber,fumar e usar outras drogas acompanhados por terceiros.
      Companhias podem ser boas ou ruins portanto esse raciocínio ao meu ver é parcialmente válido.
      A necessidade de companhia, interação, sexo etc é algo individual, uns terão mais, outros menos. É bobagem querer enquadrar necessidades e comportamentos humanos em ideias e "regras" simples.
      Cada um vai descobrindo o que faz sentido pra sí.

      Excluir
    3. Vou caçar o vídeo e posto aqui amanhã.

      Anos, não são regras. É um estudo que foi feito sobre como nosso sistema de recompensa/prazer e atividado.

      Sendo sexo, comida e socialização prazeres naturais que o ser humano sente e que fazem bem à ele.

      As pessoas que se socializam de maneira errada como você citou, essas terão consequências. Mas não é disso que a socialização se trata.

      Se trata do esporte, da igreja , do churrasco, conversar com um cliente na sua empresa, enfim...

      Temos essa necessidade e isso faz bem a nosso cérebro. Enquanto outros “falsos prazeres” nos afetam.

      Inclusive, muitos acham que viver sozinho é o propósito da vida, mas estão apenas se enganando e fudendo o cérebro.

      E a mesma coisa que o viciado em pornografia que acha que aquilo ali pra ele basta e tá bom.. pobre coitado.

      Vai morrer triste e depressivo, não terá tesao em viver a vida!

      Então, volto a repetir. Cuidado, quando falam que gostam de ficar sozinhos! Eu também já me enganei!

      Quando assistia NFL/NBA/Tennis e apostava, meu maior prazer era chegar em casa e ligar minha Tv e entrar no site de apostas. Isso só estava levando minha vida pro buraco.

      Agora vê se hoje eu consigo ficar sozinho em casa sem fazer nada? Sem nenhum vício? Não, há necessidade de socialização!

      Excluir
    4. Ou seja. Na época que eu tinha esses “falsos prazeres” ele substituía a socialização e eu não sentia necessidade. Mas como disse, os falsos prazeres afetam nosso cérebro no longo prazo, além de vivermos somente metade de nosso potencial.

      Excluir
    5. Peão acho que você não etendeu o que quiz dizer. Não coloquei todo o tipo de socialização como potencialmente ruim.
      Apenas disse que o simples fato de ter companhia não significa que isso vai fazer de sua vida uma vida melhor.
      Nem 8 nem 80. Tem pessoas que como disse precisam menos de compnhia e interação e isso de forma natural, não quer dizer que as mesmas possuem vícios que as ajudem a passar por isso.
      Fora que mesmo pessoas de vida social agitada podem ter vícios e muitas vezes o tem, então isso é indeterminante.
      Uma coisa é o cara mais sozinho que se sente bem assim, mas tem um nível mínimo de socialização, outra coisa é algém solitário e depressivo que se sente mal por estar sozinho.
      Cada pessoa tem que encontrar a medida das coisas que as fazem alguém melhor.

      Excluir
  5. Sim, acho possível. E pelo que vemos aparentemente muitos casais são assim. É comum vermos casai andando juntos no namoro ou primeiros anos de casamento.
    Mas com o passar do tempo em muitos casos ocorre um distanciamento, não se vê o casal mais junto fora de casa (apenas em algumas ocasiões), e mesmo na vida doméstica as conversas vão se encurtando.

    O que tem haver é um cuidado para que essa distância não vá se tornando mais convidativa que a vida de casal, cultivar uma relação saudável é fundamental.

    ResponderExcluir
  6. A unica coisa que posso dizer, encontre alguém com os mesmos pensamentos seus, que compartilhe as mesmas idéias.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Investidor!

    Eu particularmente sinto que tenho dificuldade em "manter" amizades. Por manter a amizade eu quero dizer aquela coisa de mandar mensagens, marcar coisas, ficar em "touch" com as pessoas. Eu tenho a tendência de meio que "abandonar", fico facilmente um, dois anos sem mandar mensagem nem nada para pessoas que eu inclusive gosto, e sei que isso acaba não sendo bom pra se manter os laços.

    No mais acho não vejo problema algum em morar sozinho, apesar de que, por mais contraintuitivo que possa parecer, não gosto de me "sentir" sozinho.

    Abraço!

    https://engenheirotardio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Fala IC! Também sou muito recluso, nunca tive um relacionamento em minha vida (incel raiz kkkkk) e sei que apesar de estar só no my quarto a maioria das vezes não tenho aprendido a lidar bem com isso. Também não quero ficar betando em troca por migalhas de gente impura.

    E outra: no momento que estou escrevendo este comentário estou com uma dor de cabeça, estou pensando em me desintoxicar do computador, tenho ficado direto, pelo menos um dia já está de bom tamanho. Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Eu lido bem com a solidão, sei que não é nada saudável passar muito tempo sozinho e que socializar é necessário para a sanidade da mente e do corpo, mas acho que acabei me acostumando.

    O meu maior problema é que não gosto de muito de baladas e festas e como também não bebo acaba ficando difícil socializar com as pessoas, ainda mais quando se é jovem como eu sou, a maioria dos jovens (90%) resumem seus programas sociais em "bebidas e/ou baladas".

    O importante é que quando na solidão sempre busquemos desenvolver-se de alguma forma, se falta do lado social precisamos compensar de outra maneira, caso contrário é ladeira abaixo.

    Abraços,
    Pi.
    https://poupadordointerior.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. O que torna as pessoas sociáveis é sua incapacidade de suportar a solidão e, nela, a si mesmas.

    Um gênio dificilmente pode ser sociável, pois que diálogos realmente poderiam ser tão inteligentes e interessantes quanto seus próprios monólogos?

    ResponderExcluir
  12. é complicado. sempre namorei, desde os 13, nunca tive dificuldade quanto a isso. Meu problema é a monogamia e gostar da minha companhia.... Tive que terminar uns relacionamentos porque parecia que a pessoa gostava mais de mim do que eu dela, a ex não compreendia que eu gostava do meu jeito. heheh Então com as namoradas atuais deixo o dia pré marcado só nosso, dai nos outros dias cada um faz suas coisas, troca uma ideia no whatsapp e no nosso dia ficar só reservado para matar a saudade. tem dado certo :)

    ResponderExcluir

Seu comentário é bem-vindo e sua opinião será respeitada.

Para tanto, peço que respeite a mim e aos demais comentaristas, evite floodar e fazer qualquer tipo de comentário que possa prejudicar alguém.

Não me responsabilizo pelos comentários de terceiros.