terça-feira, 29 de maio de 2018

É contraditório um servidor público ser liberal?

Observa-se que na finansfera há muitos servidores públicos, eu incluso, ou postulantes à "teta governamental". O que chama atenção é que vários desses servidores públicos têm um viés "liberal" em relação à economia.

Em outras palavras, resumidamente, acreditam que o Estado é ineficiente e que a iniciativa privada é, via de regra, a melhor solução para o atendimento das demandas da população.

Segundo a definição da boa e velha wikipédia:
O liberalismo econômico é uma ideologia baseada na organização da economia em linhas individualistas, o que significa que o maior número possível de decisões econômicas são tomadas por indivíduos e não por instituições ou organizações coletivas.

Ora, como pode? Trabalham(os) para o Estado, porém não acreditam(os) em sua capacidade de fomentar o desenvolvimento sustentável. É contraditório? Loucura? Bipolaridade? No meu caso, não.

Como já disse nesse post, passar em concurso foi a melhor (talvez única) opção para um jovem retirante como eu auferir um bom salário e melhorar de vida.

Até há alguns anos, eu tinha tendências socialista/coletivista, fruto de uma doutrinação fodida sofrida ao longo da minha formação educacional em escolas públicas fedidas no interior do Bananil. Tal doutrinação é tão sutil que nem mesmo os doutrinadores a percebem. Mas causa estragos.



Assim que iniciei minha carreira no Estado, era um participante ativo de movimentos sindicalistas/grevistas. Fazia apitaço, buzinaço, abordava colegas os convencendo a aderir ao movimento e até participei de piquetes (quando vários grevistas tentam impedir/dificultar outros servidores de entrarem no local de trabalho).

What a shame!


Somente após a leitura de vários livros de autores liberais/anticomunistas fui me tornando contrário às visões coletivistas que imperam em nossa sociedade, especialmente nos ambientes de escolas, faculdades e serviços públicos em geral. O inimigo é o imperialismo. O patrão explorador. O capitalista malvadão. 

Mas o papai Estado, comandando por políticos ideólogos e servidores dedicados, virá para nos salvar.

Era nisso em que eu acreditava, até o momento em que a venda da burrice mediocridade foi retirada dos meus olhos e comecei a buscar conhecimento além do que  é amplamente ofertado a todos os incautos no Brasil.

Percebo que a imensa maioria dos servidores públicos, de todos os lugares em que trabalhei, têm uma visão coletivista muito forte. A mesma que eu tinha assim que saí do ensino médio. Mas bastam 10 minutos de debate para mostrar a eles que, em geral, estão errados em suas visões. Entretanto, cada vez menos perco meu tempo discutindo essas coisas.

Cuido de mim, faço o meu trabalho, evito sindicatos, movimentações coletivas, abaixo-assinados etc.. Sempre fui considerado um ótimo servidor por todas as chefias que possuí, praticamente só recebo nota máxima em todas avaliações de desempenho. Só não me venham com essas merdas socialistas, por favor!

Então, respondendo à pergunta do título: não considero contraditório um servidor público ter um viés liberal, pois a mentalidade coletivista é que está fodendo o Brasil. Vamos a alguns fatos:

1. Brasil tem o pior retorno sobre os impostos auferidos, posição que sustenta por seis anos consecutivos. Temos a maior carga tributária da América Latina. Ou seja, o Estado "arrecada" demais e presta serviços de menos à população. Pra não piorar, nem vou entrar no mérito da má tributação (salário e consumo em detrimento de rendimentos).

2. Somos um dos piores países do mundo para se fazer negócios. Temos o 153º pior índice de liberdade econômica do mundo, entre 180 países pesquisados. Para se ter uma ideia, estamos pior classificados que países como Guiné, Etiópia, Congo, Líbano, Senegal, Gana, Rússia, Kuwait e Ugana. Isso quer dizer que é mais difícil tocar um empreendimento no Brasil que na Rússia, herdeira do ideal comunista da URSS, e que em países paupérrimos da África. 

3. Os funcionários públicos ocupam 7 das 10 profissões com os maiores salários do Brasil. Não precisa ser gênio para perceber que há uma distorção enorme nisso. Quem produz a riqueza são os empreendedores, mas quem come a maior fatia do bolo, atualmente, são os trabalhadores do Estado. 

4. Nós fomos eleitos como tendo os piores políticos do mundo. Na mesma linha, nossos nobres representantes são os segundos mais caros do mundo. Então, seu comunisteen maconheiro de Universidade Federal, a culpa pela merda em que estamos é dos empresários, capitalistas malvadões, ou desses chupa-cabras que vocês idolatram?

5. O brasileiro, sempre que lhe dada essa opção, foge de tudo que é público (saúde, educação, segurança, transporte - prefere Uber ou ônibus/táxi, chimpa? - e serviços em geral) como o diabo foge da cruz. Precisa dizer mais alguma coisa?


CHEGA. TÔ MUITO PUTO JÁ. Poderia enumerar vários outros motivos que me levam a ser um servidor público com ojeriza a movimentos coletivistas e ser pró livre-mercado, mas já deu. Sou servidor público apenas por esta ter sido a minha melhor (menos pior?) opção, faço meu trabalho da melhor maneira possível e só.

Apenas para não deixar passar, gostaria de lembrar aos liberteens que o próprio pai da economia moderna e principal ideólogo do liberalismo econômico era também um funça, Comissário da Alfândega da Escócia (em outras palavras, um Fiscal da Receita Federal Real do Reino Unido).

Estou falando de Adam Smith, caso não saiba.





Abraço e não venha defender nenhum político aqui não, seu safado!

44 comentários:

  1. Sou que nem voce!!!! Funcionário público com ideias liberais. Não é atoa que somos investidores. Essa turma coletivista abomina os "rentistas" como eles dizem. Primeira coisa é que precisamos pensar em nós. Ninguém vai nos bancar. Sendo trabalho honesto, tudo vale para melhorar de vida. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi Concursado,

    Também sou funcionário público e concordo integralmente com você.
    Socialismo no dos outros é refresco!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk

      Verdadde, PnB. Não conhecia seu blog, vou dar uma passada lá.

      Obrigado por prestigiar.

      Excluir
  3. Não acho que haja contradição, mesmo porque o liberalismo, na vertente mais tradicional, pressupõe a existência do Estado, ainda que mínimo. Algumas funções voltadas à organização da coletividade são inerentes ao governo. O que talvez falte é um serviço público com mecanismos que estimulem a eficiência, pois a maioria dos servidores ainda trabalha como se estivesse fazendo favor ao público. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Mascada. Infelizmente é uma verdade incontestável. E muitos colegas servidores quando se deparam com uma crítica dessas já vão soltando: "isso é inveja de quem não consegue passar em concurso, vai estudar que você também passa".

      Ficou puto com essas imbecilidades.

      Excluir
  4. Falou tudo! Tenho vontade de ser PF, mas se esses caras nao tomarem medidas liberais não vai abrir concurso para ter chance de entrar e muito menos receber o salario vai adiantar alguma coisa, afinal o governo vai criar inflação pra poder pagar a conta que ta cada vez mais pesada. Privatiza essas empresas estatais e acaba com os monopolios delas, pega essa grana e investe no que realmente precisa que é saúde,educação e segurança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas, anon. Se o Estado continuar crescendo logo vai esmagar o setor produtivo do país.

      Ótima carreira a da PF. Eu tinha vontade, mas o salário de um Agente/Papilo/Escrivão em início de carreira é menor que a minha remuneração atual, sem contar que precisa ir pra fronteira. Desejo sorte na empreitada, coloque os corruptos na jaula!

      Excluir
  5. Então , eu acho que cada um está certo em defender seus interesses . No seu caso você conseguiu enxergar a realidade mas ao mesmo tempo não é besta e aproveita a oportunidade de vida que o estado lhe proporciona. Até eu se tivesse a oportunidade de passar em um Concurso iria querer mamar um pouquinho .Mas nem por isso deixaria de ser liberal rsrs

    ResponderExcluir
  6. Incongruência pura se autodenominar liberal e mamar nas tetinhas do Estado. A não ser que seja de carreira tipicamente estatal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai falar isso para Adam Smith, anon, pai do liberalistmo que no final da vida virou um Fiscal de Alfândega.

      Acho que você está confundindo liberalismo com libertarismo/libertarianismo ou mesmo anarquismo.

      E sim, sou de carreira típica de Estado. Ou quer privatizar o Judiciário? Entretanto, acho que isso não tem nada a ver com o tema tratado no post. Poderia ser até funcionário dos curreios que não mudaria nada meu posicionamento.

      Abraço!

      Excluir
  7. Creio que esse sentimento ocorra em razão da discrepância não razoável entre os ganhos dos servidores públicos e dos trabalhadores da iniciativa privada com a mesma qualificação. A discrepância ocorre de forma mais acentuada no âmbito federal, mas já está chamando atenção até em algumas carreiras municipais (principalmente área jurídica e tributária).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, concordo contigo. Há um fosso salarial muito grande entre a iniciativa privada e o serviço público, especialmente nos cargos burocráticos de baixa complexidade.

      Excluir
  8. Rapaz, essa do Smith ser funça eu não sabia. Muito interessante.

    Não vou me alongar muito, vc já abrangeu muita coisa neste post, só acrescentando, que muitos funcionários públicos brasileiros só enxergam o próprio umbigo e portanto acabam tomando posições estatistas visando atender aos próprios interesses.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poi é, Astronauta, no final das contas ele buscou uma tetinha para mamar também, mesmo já sendo rico.

      Sim, a maioria dos servidores só pensam em mais Estado, mais imposto e mais remuneração para eles.

      Abraço e obrigado por prestigiar.

      Excluir
  9. Excelente, IC! Parabéns pelo post! Prevejo que esse post vai rodar nos fóruns e grupos da vida, causando muita revolta dos acomodados mamadores de teta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, MIN.

      Que venham os haters! Só espero que não venham defender políticos, pq isso eu não admito no meu blog!

      Excluir
  10. Não vejo contradição. Sou economista e trabalho no Bacen, e aqui temos diversos servidores que são a favor da redução do tamanho do estado com a contrapartida da redução dos impostos. Todavia, confesso que além desse pensamento não ser majoritário ele não tem representatividade nos cargos de alto escalão, que estão mais preocupados com sua manutenção no poder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bacen é uma carreira foda, um órgão muito admirado pela excelência de seus servidores.

      Sim, há muitos servidores conscientes de que o Estado não pode crescer até o infinito, mas infelizmente somos minoria.

      Abraço e obrigado por prestigiar.

      Excluir
  11. Também não acredito que haja contradição. As vagas no serviço público devem ser distribuídas de forma mais inteligente.

    Porém, os funcionários públicos tem um "defeito" até grave em alguns casos.
    Como tem estabilidade, muito dificilmente se exoneram. Tem muito servidor desmotivado, infeliz com a profissão que pra ele já perdeu o sentido, mas não abandona o cargo, o que impede que as empresas públicas nesses casos se oxigenem com as mudanças no quadro funcional.

    ResponderExcluir
  12. A "matrix" (estado brasileiro) compra minha força de trabalho, mas não minha alma. tudo bem ser liberal.

    esse país tem uma realidade africana, mas o cidadão quer que tudo funcione como na parte rica da Europa.

    A corrupção faz parte da cultura do brasileiro e ferra com tudo nesse país. e isso não mudará, pois apenas uma pequena minoria valoriza a educação.

    excelente post.

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A "matrix" (estado brasileiro) compra minha força de trabalho, mas não minha alma."

      Resumiu o post todo em uma frase, exatamente isso que penso. É bom lembrar que a imensa maioria das pessoas têm o trabalho como mero ganha-pão, sem esse romantismo de "ame o que faz e não precisará trabalhar um único dia na vida" e toda esse bullshit de coachs e palestras motivacionais.

      Meu trabalho é meu ganha-pão e foi a melhor opção que eu encontrei, apenas.

      Abraço e valeu por prestigiar, ST.

      Excluir
    2. "É bom lembrar que a imensa maioria das pessoas têm o trabalho como mero ganha-pão, sem esse romantismo de "ame o que faz e não precisará trabalhar um único dia na vida" e toda esse bullshit de coachs e palestras motivacionais."

      Bem falado. Hoje há a gourmetização de tudo, gente querendo reinventar a roda. Até empreender não pode ser por dinheiro.

      Excluir
  13. Olá IC,

    Não é contraditório. Eu sou servidor e também sou liberal. Eu só aproveitei o sistema e entrei. Meu sonho antes era ser empresário na área de TI só que vi que é muito complicado.
    Onde eu trabalho as pessoas são a favor do estado maior. Eles até me "xingam" quando eu falo que tem que privatizar quase tudo e deixar só algumas coisas para o governo cuidar, por exemplo, segurança.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Cowboy. Pensei que na área de TI o pessoal fosse menos coletivista, mas vejo que não tem muita diferença. Funça é funça em qualquer área.

      Excluir
  14. Não vejo incongruência. É apenas a forma natural como os indivíduos reagem aos incentivos.
    Dada uma mesma carga horária, o serviço público no Brasil paga costumeiramente mais do que a iniciativa privada. Dado um mesmo salário, a jornada de trabalho real de um funcionário público brasileiro é costumeiramente menor do que a de um empregado privado.
    Condene-se ou não esta lamentável distorção, enquanto ela não é corrigida, sob a ótica individual, há um claro incentivo para que a pessoa queira se tornar um empregado público, independentemente de suas convicções.

    ResponderExcluir
  15. Postagem nova no blog, dá um pulo lá:

    https://thefuturewinner.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Acredito que o servidor público tm que se preocupar em fazer uma poupança paralela, não sabemos se quando formos aposentar, a mesma vai existir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, estou já planejando ter a minha aposentadoria própria através da renda passiva dos meus investimentos.

      Abraço!

      Excluir
  17. Na minha opinião naum pode ser 8 nem 80. Sempre temos os extremos no Brasil. Pt e Psdb. Acho que precisamos de algo no meio do caminho. E tb foi se o tempo em que ser servidor/funcionário publico era ficar de boa... no trampo. Agora fica a pergunta porque buscamos ser servidores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anon, pra mim PT e PSDB não estão em lados extremos, são muito mais próximos do que se acredita.

      Sim, por onde passei eu sempre tive trabalho, só fica encostado quem não tem vontade de trabalhar mesmo. O problema é a dificuldade de demitir os incompetentes, a estabilidade é um escudo quase intransponível.

      Eu já respondi essa pergunta no post seguinte:

      https://investidorconcursado.blogspot.com/2017/10/porque-me-tornei-servidor-publico.html

      Excluir
  18. Fala IC! Penso da mesma forma, tem muito chupim principalmente nos cargos em comissão, por mim acabava com todos eles. você pode add meu blog em sua lista? Já te add no meu, que é: https://funcabeta.blogspot.com/

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Colega. Acho que alguns cargos em comissão fazem sentido, admiro muito alguns dos meus chefes, embora sejam também efetivos, o plus na remuneração do cargo comissionado pode ser considerado um incentivo à maior dedicação que eles têm com o serviço.

      Não conhecia seu blog, vou dar uma passada lá. Abraço e obrigado por prestigiar!

      Excluir
  19. Olá IC, passei num concurso, mas ainda não fui chamado, e também tenho essa visão mais liberal, e não vejo contradição nisso.

    Quanto à coletividade, acho que temos que definir o que significa coletividade, porque não acho errado você pensar antes na coletividade do que no indivíduo. O caso da desapropriação de um bem privado para a construção de algo público, mesmo que seja ruim para a pessoa que está perdendo o bem, aquilo está sendo feito pensando na coletividade. Pessoas que fazem greve e deixam escolas sem aulas, trabalhadores sem ônibus, ruas desprotegidas da bandidagem penam primeiro em si mesmas e na sua classe do que na sociedade em si. Nesse caso eu sou contra greves porque temos que pensar na sociedade como um todo, que é sempre prejudicada por essas greves. Sem contar que funcionário público já ganha acima da média por natureza, então acho um absurdo quando fazem greve querendo aumento ou mais benefícios. Se tá achando ruim, pede para sair e arranja um emprego na iniciativa privada!

    Interessante os dados que você trouxe. Seria interessante se você tivesse colocado os links das fontes, para quem quisesse ver essas pesquisas de forma mais detalhada.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Calvin.

      Concordo com sua ponderação sobre coletividade e greves no serviço público.

      Só um adendo quanto à desapropriação por interesse público, o dono do imóvel não perde nada, ele é ressarcido em dinheiro:

      CF, Art. 5º XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição.

      Quanto à fonte dos dados, são de amplo conhecimento, basta jogar qualquer uma no google que se acha facilmente.

      Vou colocar alguns pra facilitar:

      https://ibpt.com.br/noticia/2595/CNPL-Brasil-e-o-Pais-que-proporciona-pior-retorno-em-servicos-publicos-a-sociedade

      https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dndice_de_Liberdade_Econ%C3%B4mica

      https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,elite-estatal-ocupa6-das-10-profissoes-mais-bem-pagas,10000081214 (no post coloquei 7 pq os cartorários tbm são agentes do estado, então entram no bolo tbm)

      https://gauchazh.clicrbs.com.br/economia/noticia/2017/09/brasil-tem-os-piores-politicos-do-mundo-diz-pesquisa-do-forum-economico-mundial-cj83aq5l901ho01mju9yj47hg.html

      https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/estudo-parlamentar-do-brasil-e-o-2-mais-caro-do-mundo,f10536f6a27ec310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

      https://www.suapesquisa.com/biografias/adam_smith.htm

      Abraço!

      Excluir
  20. Recomendo a leitura dos livros "23 Coisas que não nos Contaram sobre o Capitalismo" e "Economia: modo de usar: Um guia básico dos principais conceitos econômicos".

    Na verdade, basta ler um deles, já que tem ideias muito parecidas. Os livros mostram, com dados, o efeito do liberalismo em diversas economias nas últimas décadas.

    Recomendo esse livro pois eu gosto de ler diferentes visões sobre um mesmo tema. Gosto de ver tanto os argumentos a favor do meu pensamento quanto os contrários, pra ajudar a formar minha opinião. E quanto mais embasados, melhor. Daí a minha recomendação.

    Obs.: O livro não é uma apologia ao comunismo. Pelo contrário, ambos falam muito bem do capitalismo, apenas levantando algumas questões e trabalhando as várias versões do capitalismo.

    []'s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Anon. Boas recomendações. Eu já li inúmeros livros de autores mais clássicos sobre o livre comércio (não gosto do termo "capitalismo" pois foi difundido pejorativamente pelo Karl Bosta Marx, dando a ele essa conotação negativa que as pessoas têm, sabia?).

      Vou colocá-los na lista de leitura (que já deve ter uns 100 na fila) e algum dia os lerei.

      Concordo com vc sobre a necessidade de se conhecer os dois lados de um debate. Eu já li alguns livros de esquerdistas, inclusive o entediante O Capital, a bíblia do comunismo.

      Abraço e obrigado pela visita.

      Excluir
  21. fabricio de oliveira pimentel10 de dezembro de 2018 14:27
    Investidor Concursado,
    Conheci seu blog hoje e gostei muito. Minha situação é semelhante à sua. Sou servidor do judiciário federal e investidor. Gostei de ver que há mais algum servidor com mesmo ponto de vista do meu (Tá difícil achar...). Também pretendo atingir minha independência financeira, entre os 45 e 50 anos, pois já tenho filhos e fica um pouco mais difícil, hehe. Mas esse ano dei uma acelerada no processo, quando migrei de regime de previdência e passei a aplicar o saldo restante. Parabéns pelo trabalho e bons investimentos!

    ResponderExcluir

Seu comentário é bem-vindo e sua opinião será respeitada.

Para tanto, peço que respeite a mim e aos demais comentaristas, evite floodar e fazer qualquer tipo de comentário que possa prejudicar alguém.

Não me responsabilizo pelos comentários de terceiros.