quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Comentário a respeito da reforma administrativa

 Fala, pessoal, blza? 

Os concursados e concurseiros em geral estão em polvorosa por causa da tal reforma administrativa proposta pelo Bozo, a PEC 32/2020. Ainda nem tirei uns minutos para lê-la e, portanto, não tenho opinião formada a respeito. 

Pelo que sei, a reforma pretende operar inúmeras alterações no serviço público, especialmente na relação dos servidores ocupantes de cargos efetivos (os concursados).

Se alguém pretende dar uma olhada nos pontos dessa PEC, recomendo olhar essa matéria no site do Senado.

Pelos relatos que vi, parece que têm coisas bem exageradas na proposta, talvez seja aquele lance de pedir 800 pra levar 80, vamos ver.

O fato é que, conforme sempre falo aqui no blog, a tendência inevitável é a de aproximação das condições de trabalho do setor público com o privado, pelo menos nos cargos mais operacionais, especialmente, mas não exclusivamente, os do executivo, estou falando de menores salários, menos vantagens, menos concursos e vagas, mais cobrança por resultados etc. 

Digo mais, os próximos anos serão bem complicados pra todos do setor publico em geral (exceto pros topo de pirâmide - juízes, promotores etc), esqueçam reajustes, concursos com trocentas vagas etc.

Talvez a gente presencie até um excesso de retiradas de direitos num momento inicial, para então se atingir um equilíbrio. O fato, na minha visão, é: as sinecuras serão cada vez mais raras. Os bons cargos ficarão ainda mais disputados, portanto, se vc pretende ocupar um desses, prepare-se ainda melhor.

Sim, estou dizendo que não vai ser o fim do serviço público como estão alardeando alguns.

Dessa forma, a cada dia temos a confirmação da extrema importância de nós funças não fazermos dívidas, de nos controlarmos financeiramente e principalmente de aportar uma parte expressiva da remuneração visando atingir uma tranquilidade financeira o mais breve possível.

Eu já estou bem próximo do passo 5 do roteiro acima (24 meses de salário em ativos geradores de renda), e vc?

Abraço e por enquanto é só isso.

14 comentários:

  1. É o que tenho pregado em alguns posts. Quem é concursado ou não é sempre melhor ter um plano B. A regra do jogo muda sempre. Após o desespero do pessoal da AGU querer reajuste das progressões já tem conversa no congresso de que deve acabar tb com a estabilidade dos atuais.

    Com a mudança da previdência em 2013 (quem entrar a partir disso só aposenta com o teto), mais esta reforma e outras que virão, é melhor o servidor aportar forte, aprender novas habilidades para não ser dependente do sistema.

    Colega que estudou comigo está há 8 anos tentando passar para o concurso de juiz. O pai já faleceu e agora so tem a mãe. Será que realmente vale a pena focar somente nisto sem pensar em plano b e c?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a situação do seu colega é bem surreal.
      Eu fiz concurso para promotor durante 4 anos. Foram 6 concursos nesse período. Em todos bombei na segunda fase.
      Desisti e passei para auditor federal.

      Hoje me pergunto se eu tivesse insistido nos estudos: teria conseguido, ou não?
      Tenho um colega que passou depois de 10 anos de estudos para juiz.

      Enfim, decisão difícil.
      Eu não arrependo, já que dinheiro não é tudo.
      Eu moro em uma capital cheio de oportunidades de lazer. Já meu colega juiz vive em uma roça. O passeio dele no fim de semana eh comer hot dog na esquina. Só viverá em uma cidade boa, após vários anos. Isso definitivamente não é para mim.
      Mas tem quem goste. kkkkk

      Excluir
    2. Voce fez o certo. Está em um cargo de alto escalão, provável que aporte, vivendo a vida, saindo.. O colega meu bitolou nisso e só quer magistratura. Ele esqueceu que a vida passa. Talvez seria melhor ele ter focado em concursos mais "fáceis" na época com jornada de trabalho de 6h diárias, tendo seu dinheiro para bancar e mais tempo para estudar.

      Eu não daria conta de viver só estudando e dependendo de mesada dos pais. Eu ainda acredito que a casa vai cair para o alto escalão, mas não será agora. Vai demorar alguns anos ainda, mas pode ter certeza que o REI e a RAINHA ficarão cercados tambem.

      Excluir
  2. A principal mudança que tinha que ocorrer é quanto aos super salários acima do teto constitucional. Qual governo terá coragem de mexer no topo da pirâmide?
    No meu trabalho tem gente trabalhando lá bem antes da CF/88 e os direitos adquiridos que eles têm é só vendo com os próprios olhos para acreditar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui no meu tem as aberrações tb. Tem servidor que entrou como fiscal de plataforma de empresa pública já extinta, fez o curso de direito, arrumaram um cargo de advogado. Época áurea antes 88.. Hoje este servidor ganha 27mil líquido trabalhando 6h e sem responsabilidades.

      Excluir
    2. O pessoal da velha guarda tem essas benesses mesmo, é surreal. Já trabalhei em um lugar que tinha uns dinossauros cujos cargos eram a própria definição de prebenda.

      Excluir
  3. É complicado, quem manda nessa bodega são os do topo da pirâmide. É um absurdo os "direitos" garantidos aos doutores. Quanto aos funcionários da parte de baixo, é lamentável que não seja bom para o trabalho deles os benefícios, mas quem arca com tudo é o contribuinte. Quanto mais barata a conta para o cidadão, é melhor.

    ResponderExcluir
  4. Cada vez mais eu tenho certeza que o que o Bastter diz é verdade. O é funcionário público, ao contrário do que dizem, é o que corre mais risco e o que tem que ficar mais esperto. Concordo com vc qdo diz que o topo da pirâmide ainda não está sofrendo, mas está cada vez mais difícil mesmo pra eles esconder a merda debaixo do tapete. Abraaaço e seguimos aportando

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Eu acho que vão piorar as coisas para os cargos que tem mais gente, tipo professores e policiais, a fim de economizar uma grana e não precisar aumentar tanto os impostos. Nos cargos que ganham bem (minoria) difícil de tirarem.

    Abs

    ResponderExcluir
  6. Como sempre, as "otoridades" do topo da pirâmide (principalmente no poder judiciário) não vão sofrer nada. Como sempre essa reforma só vai f#$#r com os pequenos, que nem o Bilionário escreveu acima. O jeito é aportar o máximo possível, todo mês, aprender novas habilidades, tentar montar um negócio por fora, e se preparar pro pior...

    ResponderExcluir
  7. O que vejo como pior nessa reforma administrativa é a maneira de ingresso, me parece que vai aumentar os temporários como os guardiões do crivella, onde o único critério para entrada é fazer tudo que o politico quer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dependendo como for a politicagem durante essa reforma, pode terminar pior do que era antes.

      Excluir
  8. O jeito é focar agora em carreiras tipicas de Estado, CI. Afinal, há uma possibilidade grande sobre a sua previsão sobre o futuros dos cargos públicos operacionais estar certa, então, eu q ocupo um destes, deveria procurar migrar pra algo mais garantido.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Até que enfim um governo colocou isso em pauta, acabar com alguns privilégios, reduzir o Estado e dar uma chacoalhada nos servidores. Tem muito servidor jogado nas cordas, não quer trabalhar.
    A grande maioria está preocupada em quando o salário vai aumentar, quando será o feriado, que horas acaba o expediente e etc..
    Digo isso pq sou servidor e me incluo nisso.
    Cortar na carne ninguém quer, mas eu assumo que ganho mto pelo que eu faço...o resto é ego.
    Abç

    ResponderExcluir

Seu comentário é bem-vindo e sua opinião será respeitada.

Para tanto, peço que respeite a mim e aos demais comentaristas, evite floodar e fazer qualquer tipo de comentário que possa prejudicar alguém.

Não me responsabilizo pelos comentários de terceiros.